O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player


História da Cera de Carnaúba

As aplicações da Cera de Carnaúba


Cera de Carnaúba

Cera de Carnaúba

A carnaúba está presente no cenário do semiárido, do litoral ao sertão, distribuindo-se do Maranhão à Bahia ao longo dos rios ou em áreas inundadas e de pouca profundidade.

 Os índios aproveitavam quase tudo dessa árvore que arranha, significado da palavra carnaúba na língua tupi, referindo-se à sua casca áspera. Do tronco, saíam os artefatos; do palmito, a farinha; dos frutos, o alimento; das raízes e amêndoas, remédios capazes de curar as piores dores.


Os sertanejos acrescentaram mais algumas aplicações à árvore de mil e uma utilidades. A palha serve hoje para adubação do solo e a cera, obtida do pó que é extraído e processado das folhas, é um insumo valioso que entra na composição de diversos produtos industriais, como cosméticos, cápsulas de remédios, revestimento de componentes eletrônicos, verniz e produtos de limpeza. A presença da cera nas folhas, aliás, é uma característica apenas da carnaúba brasileira, sendo consequência de sua adaptação às regiões secas. Ela dificulta a perda de água por transpiração e protege a planta contra o ataque de fungos.

A cera chamou a atenção dos europeus para a árvore ainda nos tempos do Brasil Colônia. Usada para fazer as velas, que já no século 18 iluminavam as noites na metrópole, a carnaúba era a origem de um dos principais produtos brasileiros de exportação. Mas foi no século 20 que a cera ganhou status de produto estratégico para a indústria, ao se tornar matéria-prima obrigatória de papel-carbono e graxa para sapatos, impermeabilização de metais e na fabricação dos antigos discos de vinil. Já faz parte da história a viagem épica do empresário Samuel Johnson, dono das Ceras Johnson, que, em 1935, veio ao Brasil a bordo de um hidroavião para conhecer de perto a árvore que era a origem de seus produtos para polimento de assoalhos.

Na década de 1950 começou o período de decadência econômica, pois a palmeira que crescia naturalmente não existia em número suficiente para atender a demanda sempre crescente. Isso fez com que a cera fosse aos poucos sendo substituída por derivados do petróleo que, inclusive, eram mais baratos. Mesmo assim, ela ainda é insuperável, por exemplo, como isolante elétrico nos chips de computadores. Com o tempo, os nordestinos adaptaram a matéria-prima a suas vidas e a sua cultura e aprenderam a utilizar a palha para chapéus e tapetes, que são a principal atração de várias cidades do interior cearense. Em localidades pequenas, habitações inteiras são construídas com o material da árvore: telhados, cordas, sacos, esteiras, balaios, cestos, redes e mantas são confeccionadas com suas fibras. Ainda como subproduto, a folha triturada serve como adubo para milhares de pequenas roças e pode ser usada para a alimentação de ovinos e caprinos.

Dependendo tanto da carnaúba para a sua sobrevivência, não é à toa que na região ela tenha sido apelidada de árvore da vida. No entanto, vítima da urbanização e de décadas de exploração predatória, a árvore começa a rarear em locais em que antes era abundante.

Faldem Design
Site Validado: W3c | CSS